M'banda

Imagem
  M'banda é uma palavra do Kimbundu, uma língua Bantu, e com alguns significados, pode indicar um coletivo religioso, a/o líder desse coletivo, mas o de uso mais comum é : magia, a arte de curar. No Kimbundu quando as letras M e N precedem outra consoante, elas tem um som de vogais nasaladas, ou seja: em/en, im/ìn, um/un. A palavra M'banda pode ser lida como embanda, imbanda, umbanda ... Oscar Ribas, escritor e etnólogo Angolano, afirma que em Angola, " Umbanda " é um rito de cura, um tipo de medicina natural que envolve a intervenção de espíritos, é a ciência do Kimbanda ( sacerdote, curandeiro ). O historiador Wilson do Nascimento Barbosa, indica a palavra Nblanda para definir práticas religiosas Bantu no sudeste do país. Nblanda estaria muito além de um movimento religioso, seria uma filosofia espiritual mesclada a uma ideologia social na metade do século 19. Aqui M'banda tem exatamente este sentido, uma filosofia de vida que mescla espiritualidade, princípio

Deuses não morrem...

 


Ouvi " que ninguém mais reza para a Deusa Ísis "...


Bom, desde a década de 60/70 emergiram religiões, cultos e práticas chamadas de Neo Pagãs, são sistemas de re-imaginação, de reconstrução de religiosidade ancestral pré judaica/islâmica/cristã, que usaram e usam fatos históricos, já que a maioria dos povos ancestrais não deixaram, ou deixaram pouco material escrito.


Existe um movimento religioso que surgiu nos EUA e hoje tem adeptos em vários países, chamado Kemetismo ( são várias ramificações ) que revivem a antiga religião egípcia que é sim espíritualidade africana.


Kemetismo tem um interessante foco em seguir Maat ( a ordem divina ), são preocupados com o bem estar físico, espíritual ( alimentação, exercícios, meditação ) e sim rezam pra Isis, , Bastet, etc.


De novo a questão da legitimação, as religiões afro-diásporicas só ganharam forma por causa da oralidade dos nossos ancestrais, é fato que a religião dos Orixás, Voduns, Nkisi e outras, ainda são vivas na África, mas poderiam ter deixado de existir se nas senzalas, alguém não tivesse pensado em reviver seus deuses por amor.


Se só com oralidade conseguirmos organizar material para criar religiões, imaginem na era da comunicação onde a internet ( claro que usada com filtros... ) nos possibilita ter acesso a arqueologia, história, povos distantes...


Naturalmente religiões ancestrais serão revivida, não como eram, até porque uma série de coisas da vida moderna impossibilitam...


Isis não morreu, deuses não morrem, adormecem até que o coração de alguém os despertem!!!



Proibida a reprodução total ou parcial, sem autorização. Lei nº 9610/98




Postagens mais visitadas deste blog

M'banda

Origem, o mito e o futuro da Makumba

Makumba Karióka - A origem, o mito e a encruzilhada