M'banda

Imagem
  M'banda é uma palavra do Kimbundu, uma língua Bantu, e com alguns significados, pode indicar um coletivo religioso, a/o líder desse coletivo, mas o de uso mais comum é : magia, a arte de curar. No Kimbundu quando as letras M e N precedem outra consoante, elas tem um som de vogais nasaladas, ou seja: em/en, im/ìn, um/un. A palavra M'banda pode ser lida como embanda, imbanda, umbanda ... Oscar Ribas, escritor e etnólogo Angolano, afirma que em Angola, " Umbanda " é um rito de cura, um tipo de medicina natural que envolve a intervenção de espíritos, é a ciência do Kimbanda ( sacerdote, curandeiro ). O historiador Wilson do Nascimento Barbosa, indica a palavra Nblanda para definir práticas religiosas Bantu no sudeste do país. Nblanda estaria muito além de um movimento religioso, seria uma filosofia espiritual mesclada a uma ideologia social na metade do século 19. Aqui M'banda tem exatamente este sentido, uma filosofia de vida que mescla espiritualidade, princípio

As 7 Linhas...




Antes de adentrar ao assunto, bom sinalizar que o blog M'banda tem como princípio incentivar, fomentar a pesquisa por fatos históricos e naturalmente questionar a centralização de assuntos que envolvem a M'banda/Makumba. Não é sobre as pessoas deixarem suas práticas, mas questionarem e com isso buscarem maior conhecimento.


Eu nunca consegui entender as 7 linhas de Umbanda, até porque existem várias versões. A primeira menção de 7 linhas que temos conhecimento acontece na década de 20 com Leal de Souza, até então nem Zélio de Moraes falava nessa subdivisão...


Essa subdivisão em linha é recente e de diáspora, em Cuba também se fala nas 7 potências africanas, mas em origem essas linhas não existem, vms encontrar no máximo alguns agrupamentos de divindades mas sem encaixotar, como os Orixás Funfum, por exemplo. 


Eu até acho o conceito de 7 linhas bem poético, mas ao mesmo tempo vejo como a necessidade ocidental e moderna de sistematizar tudo e no meu entendimento sistematizar demais espiritualidade acaba limitando, as 7 linhas sempre deixam alguma divindade de fora, ou associam colocando uma como superior, mas para os povos antigos todas tinham a mesma importância, e muitas vezes a divindade mais importante era a cultuada na família, na comunidade, ou seja, onde houvesse o culto de uma divindade tutelar, esta não seria reduzida a outra divindade...


Eu tambem tenho essa necessidade de sistematizar, afinal vivo nesse mundo moderno, mas ainda assim o 7 apesar de ser um número relativamente grande, pra mim também é limitante, por isso prefiro pensar em 4 grupos de divindades e em entidades que se alinham com o tipo de energia dessas divindades, por exemplo: Divindades/Família/Clã/ Panteão da Terra: reúne todas as divindades ligadas a terra, a fauna e flora terrestre, a caça, a agricultura, a riqueza e prosperidade que a terra proporciona, ao poder das ervas, a ideia de segurança, de pertencimento, de que somos parte da terra...E as divindades da terra podem dividir outros elementos, por exemplo Nanã que carrega energias de terra e de água...


Ou seja, 4 grupos acabam sendo maiores do que 7 linhas, contemplam todas as divindades e entidades sem precisar fazer associações por um único tipo de energia, ou ainda colocando uma divindade como chefe, superior. 


São só reflexões...



Proibida a reprodução total ou parcial, sem autorização. Lei nº 9610/98

Postagens mais visitadas deste blog

M'banda

Origem, o mito e o futuro da Makumba

Makumba Karióka - A origem, o mito e a encruzilhada