M'banda

Imagem
  M'banda é uma palavra do Kimbundu, uma língua Bantu, e com alguns significados, pode indicar um coletivo religioso, a/o líder desse coletivo, mas o de uso mais comum é : magia, a arte de curar. No Kimbundu quando as letras M e N precedem outra consoante, elas tem um som de vogais nasaladas, ou seja: em/en, im/ìn, um/un. A palavra M'banda pode ser lida como embanda, imbanda, umbanda ... Oscar Ribas, escritor e etnólogo Angolano, afirma que em Angola, " Umbanda " é um rito de cura, um tipo de medicina natural que envolve a intervenção de espíritos, é a ciência do Kimbanda ( sacerdote, curandeiro ). O historiador Wilson do Nascimento Barbosa, indica a palavra Nblanda para definir práticas religiosas Bantu no sudeste do país. Nblanda estaria muito além de um movimento religioso, seria uma filosofia espiritual mesclada a uma ideologia social na metade do século 19. Aqui M'banda tem exatamente este sentido, uma filosofia de vida que mescla espiritualidade, princípio

" A Umbanda tem o corpo, o Espiritismo tem a cabeça "

 



" A Umbanda tem o corpo, o Espiritismo tem a cabeça "


Eu li esta frase na adolescência em uma revista de " Umbanda " que circulava na época e nunca mais esqueci...


Nos dois terreiros chamados de Umbanda que frequentei, os ensinamentos eram totalmente orais, não existia material didático, livros. As pessoas daquela época ou sabiam pouco ou não sabiam ler e escrever, mas elas sabiam muito como fazer Makumba, e não tinham aprendido em livros, principalmente em livros que condenam magia e formatam espiritualidade...


Confesso que sentia falta de um material de estudo e fui buscar esse conhecimento fora do terreiro, lembro que ia para uma biblioteca que tinha na Administração Regional aqui do meu bairro pra tentar encontrar livros sobre Makumba, encontrei pouca coisa, mas encontrei livros de história e outros com curiosidades interessantes... 


Comprava tudo o que aparecia sobre Umbanda.


Estudar a religião começou a criar conflitos em mim, eu não reconheçia nos livros e revistas muitas coisas, no terreiro era diferente e por isso cogitei não usar a palavra Umbanda pra definir minhas práticas. Hoje tô tranquila com isso, pra mim Umbanda é termo guarda chuva para ilustrar o que não é lido como Candomblé ou outros cultos tradicionais.


Continuei minha busca, mas comecei a filtrar, não podia e não posso inferiorizar tudo o que era ensinado no terreiro de forma oral. 


Lembro até hoje uma vez que perguntei a minha tia por quê não tinha Ekedi no terreiro e ela respondeu que na Makumba as mulheres que auxiliavam as entidades eram chamadas de Sambas, provavelmente originada da palavra Kamba ( companheiro ), podia tentar ligar a palavra semba mas perderia o sentido, pelo ao menos eu não consigo ligar. Isso não estava nos livros...


Passava as tarde de domingo sintonizada na Rádio Metropolitana ouvindo programas de José Benistes, Omolubá e outros. Cada vez que evoluía em estudos os conflitos aumentavam e eu precisava decidir a quem eu seguiria, meu coração mandava seguir meus mais velhos, mas eu não conseguia parar de buscar mais informações.


Onde quero chegar com isso tudo? 


Bom, eu não me arrependo de ter estudado tanto, mas o que verdadeiramente me fez makumbeira foi o terreiro, foi a sabedoria da minha tia e do meu pai de santo, da minha vó, dos meus mais velhos, eles tinham cabeça e corpo, a Makumba já tinha cabeça e corpo, eu que não conseguia enxergar. Sou totalmente a favor de estudar tudo pra adquirir conhecimento, mas devemos tomar cuidado para a intelectualidade não se sobrepor e reduzir o que é espiritual, em espiritualidade nem tudo é lógico.


Claro que devemos questionar e ter bom senso, mas nem tudo precisa de resposta. Lembro que naquela época os rituais e magias eram muito simples, os conjuros eram uma mistura de línguas e eram poderosos, a " intelectualidade makumbistica " moderna trouxe um monte de complexidade ritualística e de entendimento que mais desconecta, limita do que concentra. 


Por uma Makumba intelectual mas acima de tudo orgânica, honesta com nossos mais velhos!



Proibida a reprodução total ou parcial, sem autorização. Lei nº 9610/98

Postagens mais visitadas deste blog

M'banda

Origem, o mito e o futuro da Makumba

Makumba Karióka - A origem, o mito e a encruzilhada